Atualização profissional do corpo de saúde em um Hospital

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Hospitais lidam diariamente com situações emergenciais, críticas, que se não conduzidas de maneira adequada geram agravos diretos aos pacientes, os expondo a risco de vida. Desta maneira, é notório que em locais onde todos os profissionais do corpo de saúde (médicos, enfermagem, fisioterapia, nutrição, etc) são devidamente habilitados e submetidos a treinamentos frequentes, mitiga-se a chance de eventos adversos. Hospitais têm a obrigação de sempre buscar a excelência, através da seleção e capacitação adequada de seus colaboradores.
Pesquisas na área já demonstraram que os pacientes muitas vezes julgam a qualidade da assistência de determinado serviço de saúde a partir da habilidade dos colaboradores menos experientes e competentes. Ou seja, ainda que um determinado hospital seja altamente criterioso na parte técnico-assistencial e hoteleira, arrisca-se a passar uma imagem negativa aos seus “clientes” quando falham na seleção e, sobretudo, no acompanhamento (avaliações) e treinamento de seus colaboradores. Por um lado, muito se investe em marketing, hotelaria, até mesmo em estrutura, quando um dos principais fatores de percepção de qualidade está inerentemente ligada aos profissionais e os serviços que os mesmos prestam.
Quem são os colaboradores do seu hospital? Estamos falando de médicos e enfermeiros pouco qualificados, ou ainda, que há muito não se atualizam? Você realmente está certo sobre a qualificação técnica atual de sua equipe ou a última vez que avaliou as competências dos profissionais de seu hospital foi no processo seletivo? O quanto está sendo realmente avaliada (e promovida) a atualização profissional de seus colaboradores? Note que estas respostas impactarão diretamente na assistência, mas também na percepção de qualidade pelos clientes da sua empresa.

Atualização profissional é fundamental, sobretudo na área da saúde onde a responsabilidade é enorme e há constante atualização do conhecimento. Não é mais aceitável que um profissional saia da faculdade e não mais se atualize, bons profissionais têm esta visão. Mas e aqueles que não compartilham desta preocupação, ou ainda aqueles que simplesmente não tem tempo ou pró-atividade suficiente para buscar se atualizar? Para garantir que isto não ocorra em uma instituição, o caminho conhecido é treinar e avaliar constantemente seu time, isto possibilita que um Hospital rapidamente se diferencie de seus concorrentes.

Para profissionais qualificados, cada vez mais os cursos de curta duração, cujo objetivo seja passar conceitos recentes e pontuais que profissionais já atuantes não tiveram a oportunidade de aprender anteriormente, encaixam-se perfeitamente. Cabe aos empregadores estruturarem e oferecerem estes cursos de acordo com sua realidade, viabilizando ao máximo o acesso a cursos de extensão e aprimoramento educacional para seu time.
Citando Paulo Freire:

“Mulheres e homens, somos os únicos seres que, social e historicamente, nos tornamos capazes de aprender. Por isso, somos os únicos em quem aprender é uma aventura criadora, algo, por isso mesmo, muito mais rico do que meramente repetir a lição dada. Aprender para nós é construir, reconstruir, constatar para mudar, o que não se faz sem abertura ao risco e à aventura do espírito”.

 
Cabe ainda a reflexão, estão os profissionais de saúde de seu hospital preparados para prestar o melhor atendimento possível? Nenhum profissional de saúde quer causar dano aos pacientes, claro, mas é certo que se os mesmos não mantiverem-se conectados às muitas mudanças na área da saúde e da base de evidências que suportam essas mudanças, podem acabar se tornando agentes de danos involuntários. A Agência de Investigação de Saúde e Qualidade americana já identificou diversas estratégias de segurança aos pacientes, incluindo higiene das mãos, medidas para redução de septicemia associada a acessos venosos centrais, intervenções para prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica, cuidados no uso de abreviaturas, etc. O quanto que os profissionais de sua instituição estão sendo expostos constantemente a conhecimentos como estes? É conhecido, com métricas seguras (avaliações) o grau de aprofundamento sobre temas como estes pela sua equipe?
Afinal, os pacientes que procuram um determinado serviço de saúde esperam encontrar não somente uma impecável estrutura e hotelaria, mas também uma equipe que o acolha com profundo conhecimento técnico e ofereça um atendimento de excelência. Que nossas instituições de saúde tenham como principal premissa o objetivo de despertar o interesse no desenvolvimento da carreira dos colaboradores pelos quais são responsáveis e, assim, sejam verdadeiros promotores de uma saúde de excelência em nosso país.
Artigo criado pelo Dr. Rodrigo Coelho, MD – Medportal Co-Founder and COO

Equipe Medportal

Equipe Medportal

Assine nossa Newsletter

Fiquei tranquilo não enviamos SPAM.

%d blogueiros gostam disto: