O papel da educação para a evolução dos padrões de qualidade assistencial

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Na teoria, parece fácil. Os protocolos existem há tempos e, embora sejam eventualmente modificados ou atualizados, já são bem conhecidos por gestores de hospitais e demais empresas de assistência em saúde.
Na prática, o cenário é outro. O funcionamento de um hospital depende da integração entre diversos setores – médico, tecnológico, administrativo, financeiro, assistencial e, se for o caso, até mesmo de docência e pesquisa.
Além disso, há muito mais em jogo do que somente obedecer a protocolos. Apesar de serem vastos e detalhados, eles muitas vezes não contemplam dificuldades específicas que surgem quando lidamos com vidas humanas.
Também é preciso considerar que cada hospital ou outra instituição de saúde tem uma cultura institucional que precisa ser respeitada – e que quase sempre vai muito além de protocolos, justamente para a busca da excelência e qualidade no atendimento.
 
Educação como combustível
Se pudéssemos enxergar um hospital como uma grande máquina, talvez seja correto dizer que cada departamento é uma engrenagem que conta com: diretoria médica, enfermagem, limpeza, administrativo e RH. Os funcionários, gerentes e diretores são o motor, que garantem a força para que tudo funcione adequadamente.
Mas de nada adianta uma máquina moderna, com engrenagens bem sintonizadas entre si, e um motor tinindo, se não houver um combustível para colocar tudo em operação. E esse combustível é a educação.
Um programa de educação continuada é vital para hospitais – tanto para a atualização e reforço de conhecimentos técnicos e científicos para as equipes quanto para a transferência da cultura institucional aos colaboradores.
E não estamos falando de educação na acepção mais ampla do termo. Afinal, qualquer orientação passada informalmente nos corredores pode ser enquadrada como uma ação educativa.
Mas sim: estamos falando de um programa formal, com propósito, profissionais especializados envolvidos, conteúdo elaborado de acordo com as necessidades de cada time, aplicação sistematizada e acompanhamento de indicadores de efetividade. Seriedade contra o improviso e comprometimento com a cultura organizacional da instituição
 
Educação para quê, afinal?
As finalidades da implantação da educação continuada em hospitais podem variar, e vão desde a inclusão de uma nova filosofia adotada pelo grupo gestor (em uma aquisição ou reposicionamento de marca, por exemplo), até a busca por alguma acreditação ou nível de acreditação específicos – o que é mais comum.
Independente do fim, o meio é sempre o mesmo se o programa for bom e bem aplicado: melhora de procedimentos, aumento da segurança, equipes melhor informadas, com mais conhecimento, segurança e trabalhando com mais satisfação. O que leva ao benefício maior, que é ter o paciente e seus familiares bem atendidos, em situações que podem ser de bastante fragilidade.
É importante ressaltar que, na nossa visão, não basta encarar a saúde do paciente como objetivo final a qualquer custo. O tratamento pressupõe a aplicação de métodos, com análise de contexto e das necessidades do momento. E isso é uma demanda que a educação sem dúvida pode ajudar a suprir. Talvez não exclusivamente, mas ela certamente ajuda bastante.
 
Conheça nossa solução
O Medportal oferece plataformas de educação continuada para organizações de saúde. Como resultado de nossos programas, os clientes apresentam considerável redução de custos em treinamentos e melhorias em NPS de clientes.
Estamos prontos para implantar ambientes virtuais de aprendizagem personalizados de acordo com as necessidades e objetivos da organização de saúde, além de oferecer inteligência em dados, relatórios e benchmark com outras instituições.
Entre em contato e solicite uma demonstração das nossas soluções.

Equipe Medportal

Equipe Medportal

Assine nossa Newsletter


    Fique tranquilo não enviamos SPAM.

    %d blogueiros gostam disto: