Play the Game

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

[blockquote ]”it’s easy when you know the rules
it’s easy all you have to do…play the game…
Everybody play the game…” [/blockquote]
Fazendo pequeno trocadilho com a música do Queen (Play the Game), venho com a provocação do uso de gamefication nas instituições de saúde com intuito de transformar processos e ações em jogos de desempenho com envolvimento dos colaboradores.

Conceito

Embora o termo gamification seja de 2002 por Nick Pelling, um programador de computador e inventor britânico, ele veio ganhar popularidade somente em 2010. Podemos definir o termo como a aplicação de elementos de jogo de concepção e princípios de jogo em contextos não-jogo ou somente o contexto de uma competição na tentativa de melhorar o envolvimento dos usuários, produtividade organizacional, fluir, a aprendizagem, recrutamento e avaliação, facilidade de uso e utilidade dos sistemas, o exercício físico, infrações de trânsito, e eleitor apatia, entre outros. Uma revisão das pesquisas sobre gamification mostra que a maioria dos estudos encontramos efeitos positivos. Gamification tem sido amplamente aplicado no mercado, principalmente na área de marketing, nestes últimos 3 anos. Mais de 70% das 2000 empresas inquiridas em 2013 (Forbes Global) disseram que planejam usar gamification para fins de marketing e retenção de clientes.

Gamification, EAD e Área Saúde

Como você mede a produtividade e GAPs de sua instituição de Saúde?

A produtividade dos funcionários é outro problema que gamification tem sido usado para atacar. Exemplos como a imagem deste artigo, onde não sabemos quais GAPs temos em nossa instituição e quem é o colaborador mais engajado com as políticas da instituição, ou até mesmo:

O que fazer com as brechas identificadas nos processos internos?

Em instituições complexas, como as de saúde, a utilização do gamification pode ser usado para medir a produtividade de seus funcionários, o engajamento dos colaboradores e saber se o procedimento mais simples é levado em consideração. O objetivo principal é colocar todos para jogarem. Pode ser utilizado 3 modalidades de campeonatos: jogos entre equipes (como é o desempenho em equipe), competição individual (medir o desempenho individual em relação a todos) e entre seus gestores (medir quem lidera).
Desta forma nada como unir o conceito de jogos com educação a distância (EAD)Esta técnica é amplamente indicada para tratamento das possíveis brechas identificadas em seus processos internos. Neste ponto entramos em cena, o Medportal Soluções Educacionais fornece juntamente com sua plataforma de EAD módulo de gamification.
Uma competição entre equipes pode ser simples, objetiva e o mais importante, todos conhecerem as regras do jogo (“it’s easy when you know the rules”) , desta forma todos estão aptos e podem jogar o jogo (“Everybody Play the Game”).
visao-dashboard-gamification

Visão parcial de um Dashboard de Competições (Gamification) de nossa plataforma de EAD

 
Ao final, o resultado é claro, a instituição conhece quem pode ser premiado.  Com os melhores colaboradores, ações lúdicas podem ser utilizadas nas próximas etapas. Os que desempenharam papel inferior, podem refazer etapas até alcançarem pontuação para avançarem nas competições.
Saiba como premiar ações do mundo real no mundo virtual, entre em contato como o Medportal Soluções Educacionais implementa o gamification.
Grande abraço, vida longa & próspera e até o próximo artigo.

Vinicius Oliveira

Vinicius Oliveira

Assine nossa Newsletter

Fiquei tranquilo não enviamos SPAM.

%d blogueiros gostam disto: